sábado, maio 10, 2008

Verdizela - Mais um atentado ambiental???

Chegou-me ao e-mail esta informação.
Penso útil e legitimo difundir o seguinte apelo, pedindo aos interessados que deixem aqui a vossa opinião, reforçando, se for o caso, o acompanhamento do infra relatado e acrescentando elementos que podem ser úteis para uma possível tomada de posição do PSD. Por agora vamos analisar a situação, antes de tomarmos decisão política.
Obrigado.
De seguida transcrevo-vos o e-mail:

Venho dar-vos a conhecer uma situação que está a acontecer na Verdizela. Há cerca de três semanas começaram a cortar centenas de pinheiros logo à entrada da Verdizela, na zona de verde integral, sem o conhecimento dos serviços florestais, com a finalidade de alterar uma urbanização. Todos os arruamentos estão a ser realizados em terrenos pertencentes à Câmara, em vez de serem nos terrenos da dita urbanização. Além destas existem aindaq outras irregularidades. A Associação de Moradores da Verdizela promove, no próximo Domingo, dia 11-5-2008, pelas 17horas, uma reunião junto das obras, no início da avenida do Pinhal das Caldas (entrada da Verdizela) Aguardamos a vossa prsença,

13 comentários:

Anónimo disse...

Deve estar equivocado pois as pessoas presentes foram mais pela curiosidade do que por questões ambientais e no final viram que "a montanha tinha parido um rato", e por isso foram embora, pois concluiram que tudo não passava de uma manobra do PSD, como o demonstra o facto de ter estado presente um vereador do PSD, e outros elementos desta força politica, demonstrando que o assunto era de mera politiquice... A proposito gostaria de saber se o PSD votou contra o projecto na Câmara e se alguma vez questionou o processo na Assembleia Municipal, para assim poder saber a sem vergonhice que grassa nesta força politica!

Anónimo disse...

Ao ilustre anónimo...Esta reunião espontânea deveu-se ao facto de terem irrompido desde o início de Abril com a abertura de uma "auto-estrada" de acesso a uma nova Urbanização (Alto da Verdizela), pela mão da Empresa Alves e Ribeiro. Através de uma zona verde Protegida pela Rede Natura, pertencente à Camara Municipal do Seixal desde os tempos de cedência de espaços verdes da urbanização da Verdizela Original.
A maioria das pessoas que la estavam eram moradores.

Paulo Edson Cunha disse...

Agradeço ao segundo anónimo, porque, no fundo, respondeu ao que eu iria responder.
Em primeiro lugar não sei a motivação de cada uma pessoa por si própria, mas claramente não estavam instrumentalizadas pelo PSD, que ao ter conhecimento da situação se fez representar pela sua Vice-Presidente, um Vereador e um autarca de Corroios. nada mais. Cumprimos o nosso papel e só temos de agradecer a quem confiou em nós para acompanhar a situação. continuaremos a fazê-lo.
Aliás, curiosamente um destacado membro da CDU da Assembleia Municipal também esteve presente (e, se calhar, até é o autor anónimo desse comentário) e, não é por isso que venho dizer que a CDU instrumentalizou a manifestação.
É altura de o Partido Comunista compreender que o tempo de instrumentalizar todas as manifestações acabou. Agora, "instrumentaliza" apenas aquelas que a população acha justas, não aquelas que o Comité Central ordena. Esta se calhar escapou-lhes, por que não lhes interessava, mas infelizmente para eles, juntar cerca de 100 pessoas, num domingo à tarde, com final do campeonato, é obra.
Quanto ao que está em causa, não é a votação do projecto em si, mas o incumprimento desse mesmo projecto.

Paulo Edson Cunha disse...

Sobre este assunto visite:
https://www.blogger.com/comment.g?blogID=900067483996482843&postID=7885349341131133475

João Afonso disse...

Drº Paulo Cunha, em vez de subterfúgios, devia ter respondido às questões concretas que foram colocadas ao PSD e que foram as seguintes: O PSD votou na Câmara Municipal contra contra a deliberação que aprovou o empreendimento e na Assembleia Municipal alguma vez questionou a Câmara Municipal sobre as razões que estiveram na aprovação do empreendimento? E já agora outra questão, sendo o Eng. Luis Rodrigues, deputado do PSD, um dos grandes betonizadores deste concelho, o PSD está contra o empreendimento da Quinta Fonte da Prata na Torre da Marinha? Ou será que o betão do Eng. Luis Rodrigues é ecológico...

Paulo Edson Cunha disse...

Exmo. Sr. João Afonso,
penso que não usei qualquer subterfugio, como aliás nunca o faço. Disse, e repito, que o problema não está no empreendimento em si (embora ainda não tenha conhecimento total da situação, no entanto já requeri, através dos nossos vereadores a consulta do processo), mas vai muito para além dele: está a Câmra a cumprir integralmente o projecto aprovado? está a trabalhar em plena Rede Natura? pois, meu caro, estas são nestes momentos duas questões que coloco.
Quanto à segunda questão (Quinta da Prata), nada tem a ver com esta situação, no entanto aproveito para o informar que o PSD não está contra a construção em geral, está contra a que é mal planificada e desnecessária. Se estivéssemos contra todo e qualquer novo empreendimento, ouvir-nos-ia mais vezes criticá-los, o que não acontece. O empreendimento que refere, que eu saiba tem tudo legalizado, mas caso assim não seja, sugiro que denuncie a situação a quem de direito que é o que eu faço enquanto cidadão quando entendo que há alguma ilegalidade.
Cumprimentos,

Ponto Verde disse...

Esse caso do recorrente voltar á denúncia da Quinta da Prata é caricata!

Note-se que sou contra a urbanização daquela área que tem uma constituição arbustiva de sobreiros, que deve ser mantida e inserida num parque que aproveite as potencialidades do Pavilhão da Torre da Marinha.

Mas...quem não respeitou os sobreiros foi...curiosamente a Câmara que espetou uma Monumental Rotunda (construída por uma associada do grupo ASS) exactamente na zona do referido povoamento!

Por outro lado, e aqui o caricato, se alguma ilegalidade houvesse , a autarquia teria...proíbido... ou então estava a ser conivente com uma ilegalidade... que não me parece ter sido mencionada .

Sobre o resto, o que posso dizer,a familia do Eng Luís Rorigues tem uma propriedade que está de facto bem localizada para construír, salvaguardando os tais interesses que atrás referi, está junto da malha urbana, em zona prevista no PDM para construír, junto ao Continente e à estação Fertagus o que implica que os futuros residentes têm transportes perto o que evita usar o carro...

É que há diferenças senhor Afonso, há sitios onde se pode construir com sustentabilidade e a autarquia dispõe de todas as ferramentas para o fazer, senão, não autoriza!!!

Caro senhor Afonso, não caia no ridiculo, esta questão é demasiado complicada e séria para ser posta no prisma em que está a pôr...

Agora construír , fomentado pela autarquia em zona protegida pelo PDM e/ou Rede Natura... BOM, isso é diferente, como muito bem sabe...

Anónimo disse...

Verifico que a forma de fazer politica da JSD e do seu presidente é tudo menos séria, então primeiro fazem barulho, dizem que á ilegalidades, e depois é que vão consultar o processo... Chama a isto seriedade??? Que bases tem V. Excª para acusar a Câmara de não cumprir o processo??? Quanto à rede natura sabe V. Excª se o processo foi aprovado pelo Instituto de Conservação da Natureza, entidade com tutela sobre a rede natura? Nada disto o senhor sabe, mas já vem com acusaões de ilegalidades só para fazer barulho e aparecer nos jornais!!! Se este é a sua maneira de estar na politica, devo dizer-lhe que é baixa e vil...

Paulo Edson Cunha disse...

caro anónimo, confesso que não me importava nada de ainda ter idade para pertencer à JSD, mas infelizmente já passei dos 30 e embora tente ser o mais jovial possível, sempre seria melhor ter menos uns anos...
Quanto à acusação que me faz, a mesma é de todo infundada, mas , como sempre respeito-a. Se não vejamos:
1-recebi uma informação sobre esta situação, por e-mail.
2- Antes de a colocar no blogue, informei-me sobre a mesma (tendo o cuidado de nem eu, nem o pSD, termos assumido posição - basta reler, não lhe deve dar muito trabalho).
3- Coloquei o assunto a discussão, admitindo todos os pontos de vista.
4- assumi desde o início a necessidade de consultar o processo (formalmente), antes dessa tomada de posição.
5- Meu caro, diz-me a experiência que se eu esperar sempre pela consulta dos processos, o atraso na sua disponibilização é tão grande que nunca tomaria qualquer posição política.
6- Palpita-me que acertei no tema, pois começam a ficar muito nervosos.
7-Se verificar que a Câmara agiu erradamente nesta situação, garanto-lhe que não me calarei e levarei o assunto até às últimas instâncias.
8-Para aparecer no jornal não preciso deste assunto. A crónica é fixa. Portanto, escuso de andar a "inventar temas".
9- Se V. Exa. tiver algum contributo que me ajude, e a todos os bloguers, no esclarecimento desta situação, terei todo o prazer em divulgar.
10-Finalmente, se no final perceber que a Câmara agiu correctamente sobre o ponto de vista processual, substâncial e moral, serei o primeiro a reconhecer essa situação e felicitá-los, como aliás já fiz no passado.

nunocavaco disse...

Caro Paulo Cunha, peço desculpa, mas a mim isto parece-me populismo. Então o PSD local não sabe muito bem qual o estado de um assunto, faz "barulho", barulho esse que roça as insinuações e que me parece que visa um ataque político à Câmara Municipal e se no final "perceber que a Câmara agiu correctamente sobre o ponto de vista processual, substâncial e moral, serei o primeiro a reconhecer essa situação e felicitá-los, como aliás já fiz no passado". Mas a falha está aqui, se no final isso acontecer o que o Sr. e o PSD devem fazer é pedir desculpas publicamente, porque não estudaram o assunto a fundo e na vossa condição é o que deveriam ter feito. E tal como o referiu, se isso já aconteceu anteriormente, deveriam mudar de estratégia ...

Paulo Edson Cunha disse...

Pelos vistos acertei mesmo no tema.
O PCP local resolveu apontar a "artilharia" toda para ver se assusta.
Meu caro Nuno Cavaco (seja bem vindo de volta), claro que para si sou um perigoso "populista" que quando se dirige à Câmara a perguntar "meus senhores, isto está correcto?", estou a cometer um grave crime de difamação do enormíssimo "bom nome" dos seus governantes.
Mas, meu caro, está enganado. Depois de ter andado bastante tempo a perguntar coisas aos responsáveis da Câmara, sem obter qualquer resposta, adoptei esta estratégia. "A Revolta".
E sabe que mais? está a resultar. Últimamente começam a responder a questões colocadas na assembleia Municipal, no ano passado e, mesmo antes.
Por fim, quando a oposição tiver representatividade no "Boletim Municipal" e, esse órgão de informação, informar verdadeiramente, então serei menos "populista".

Nota: onde viu as insinuações? vou-lhe dizer uma coisa, que certamente sabe, mas a clubite não o deixa ver:no final de cada uma das insinuações que vislumbrou, está um ponto de interrogação e não um ponto de exclamação, o que equivale a dizer que em vez de uma afirmação está umapergunta.
Pelo menos foi assim que aprendi na primária, mas como já foi há muito tempo...

nunocavaco disse...

Caro Paulo, peço imensa desculpa, mas a sua resposta nada acrescenta, brinca com as palavras, deixa no ar...

O que eu quero saber é o seguinte:

Não deverá um vereador primeiro estudar os processos antes de fazer qualquer tipo de diligência?

Bom dia.

Paulo Edson Cunha disse...

Meu caro, ao contrário do que afirma, ou sugere, não sou vereador.

A diligência que presumo que refere é exactamente consultar o processo. Foi o que solicitei.

Para finalizar este assunto, pelo menos até estudar o processo, apenas direi que obviamente tenho acesso aos elementos que vieram a público e quando denunciei a situação, ou pelo menos ajudei a difundir a incomodidade dos moradores, sabia o que estava em causa, mas não iria tomar, como não vou, nem nunca o fiz, uma posição final sem consultar formalmente o processo. Daí ter-me limitado a perguntar, em vez de afirmar, concedendo o benefício da dúvida ao executivo, em situações que aparentemente não a têm.
Aliás, basta atentar nas respostas do Sr. Presidente da Câmara Municipal sobre este assunto na Sessão de Câmara, onde eu não estive devido a compromissos profissionais, mas que tenho conhecimento do que aconteceu.
Se não sabe, basta-lhe ler a comunicação social local que vai sair amanhã, ou consultar a acta.
Cumprimentos