segunda-feira, dezembro 03, 2007

"Fundo de Desemprego"



Respondendo ao honroso convite efectuado pelo “Comercio do seixal”, o qual depois de perceber a sua linha editorial e de quem são os seus representantes e trabalhadores, decidi aceitar, com as condições que me foram impostas (ou melhor, sugeridas), ou seja, não falar de política, para não afastar o jornal da sua linha editorial. Recordei-me desde logo do momento deveras curioso aquando da minha primeira crónica no extinto “Notícias do Seixal”, onde aceitei o convite com a condição de não falar sobre o emprego, de política e de assuntos, que ainda indirectamente tivessem a ver com a Câmara Municipal. Porque digo que foi deveras curioso? Pois bem, porque sendo eu na altura director do Centro de Emprego do Seixal, antes de aceitar perguntei à Delegação Regional de Lisboa e Vale do Tejo do IEFP se não via inconveniente em aceitar o convite, ao que me responderam que não, sob as condições supra descritas e, eu, como disse, no momento em que comecei a redigir o artigo de opinião só me ocorriam assuntos relacionados com o emprego, a política ou a nossa Câmara. Pensei eu, falar de quê? De futebol? De televisão? Do tempo? Bom, foi uma angústia! Vem isto a propósito do actual desafio, que curiosamente me aparece na perspectiva diametralmente oposta. Falar sobre o emprego. As suas medidas, perspectivas, como ajudar os Seixalenses nessa área, aproveitando as minhas anteriores funções.
Comecemos então pelo início. E tudo começa nesta definição errada que a maioria das pessoas dá de um Centro de emprego. Chamam-lhe o “Fundo de Desemprego”. Não sou formado em Marketing, mas uma coisa garanto: esta definição arrasta consigo uma conotação negativa para o centro e, sobretudo, para os seus clientes (utentes inscritos). Em vez de um local onde as pessoas vão para arranjarem emprego, parece antes um depósito de desempregados desqualificados. E essa é a primeira ideia que eu quero combater nesta coluna. O Centro de Emprego é um local onde se inscrevem, quer as pessoas que estão temporariamente desempregadas, mas também empregados activos que queiram mudar de emprego. Ao contrário do que muitos julgam, há (infelizmente) muitas pessoas qualificadas inscritas num Centro de Emprego, cujo tratamento, ao nível da selecção é altamente exigente e efectuado por bons técnicos que lá trabalham
Aliás, nesta crónica deixo-vos com apenas mais duas notas sobre os Centros de Emprego em geral e, o do Seixal em particular. A primeira para vos dizer que os empresários que precisem de recrutar trabalhadores devem dirigir-se ao centro de Emprego para atendimento, ou via o site http://www.iefp.pt/, onde encontrarão uma equipa bastante competente que desde Técnicos(as) de Emprego, até Conselheiros(as) de Orientação Profissional (normalmente psicólogos(as) seleccionarão de entre o vasto leque de utentes, aquele que melhor lhe servirá.
Uma segunda e última nota para vos dizer que de entre a grandíssima maioria dos funcionários do centro de Emprego com quem tive o prazer de trabalhar há enormíssimos profissionais, altamente dedicados à causa e, que muitas vezes são incompreendidos pelo público, face à ineficácia de meios, confundida com laxismo ou incompetência. Eu também pensava o contrário antes de trabalhar com eles. Há ali pessoas com uma dedicação ao trabalho inexcedível
Senhores empresários, como sou insuspeito neste tributo, pois já lá não trabalho, lanço-lhe um desafio: procure o IEFP pois certamente terá uma boa oportunidade para si, desde o ajuste directo entre quem procura um emprego e quem procura um trabalhador, passando pelos já famosos Estágios Profissionais, programa de sucesso, que tem permitido a integração no mercado de trabalho de muitos jovens, Apoio à Contratação, apoio à criação de postos de trabalho, Incentivos ao Emprego de Pessoas com Deficiência, desde ajudas técnicas, até acolhimento personalizado, enfim uma panóplia de programas ao seu dispor.

Publicado na passada sexta-feira, dia 30 de Novembro, no "Comércio do seixal", novo semanário do concelho do Seixal, a quem desejo uma longa vida recheada de sucessos.
Aceitei o desafio que me propuseram de escrever sobre temas de interesse para o concelho, que não tenham a ver com política, sobretudo aproveitando os meus conehcimentos na área do emprego, de acordo com as funções que desempenhei.
Tentarei corresponder ao desafio e confiança em mim depositadas.

4 comentários:

Anónimo disse...

"Fundo de desemprego" talvez tenha origem num fundo que existia há muitos anos e que tinha por finalidade pagar os subsidios aos desempregados. De facto tem uma conotação negativa, partilho da sua opinião. Acho fantástico que alguém se lembre de publicitar assuntos tão importantes como este, é de facto uma forma de ajudar quer desempregados, quer empregadores. Obrigado pelo esclarecimento. Gostei do artigo, além de útil, está engraçado.

Ponto Verde disse...

Agradecendo o seu comentário dse há alguns dias, e a sua chameda de atenção para o conteúdo do seu post, devo-lhe dizer que foi pura coincidência termos tratado quase simultâneamente um tema a partir da obra de Orwell. Obra do destino ou de um sentimento que infelizmente se generaliza.

Hoje propunha uma simples questão gastronómina:

Comeria peixe criado numa piscicultura que estivesse ao lado de uma ETAR e de estaleiros navais e num Estuário/Sapal para onde fosse despejado, sem tratamento o esgoto de mais de 100000 pessoas?

Mais em:

www.a-sul.blogspot.com

jsd seixal disse...

AFINAL QUEM ANDA A VANDALIZAR O CONCELHO??!?! AFINAL QUEM É QUE É VANDALIZADO?!?!?!?!

VEJAM TUDO EM:

WWW.JUVENTUDESEIXAL.BLOGSPOT.COM

WWW.JSDSEIXAL.COM/BLOG

Paulo Edson Cunha disse...

Caro Ponto Verde,
Sobre Orwell, e não só, todos os observadores atentos (e sérios) do fenómeno SEIXAL, têm pontos em comum. Foi este o caso.
Quanto à questão da piscicultura, o PSD tem reuniões agendadas com as partes envolvidas.
Depois de ouvidas todas as partes tomaremos uma posição oficial, embora perceba a pertinência do seu post e desta questão.
Obrigado pela sua participação