quarta-feira, março 05, 2008

Moção:“Destruição do Estaleiro Naval da Quinta da Fidalga”

Um trabalho político concertado, assente em princípios como sejam o respeito pelo poder autárquico, pelo princípio do contraditório, pela possibilidade de o decisor político justificar a sua medida antes de ser imediatamente condenado só por ser de outra côr política levou-nos, como bem sabem a: primeiro perguntar, segundo aguardar resposta, terceiro condenar públicamente e, finalmente, manifestar no órgão próprio (Assembleia Municipal) a nossa verdadeira posição política. Foi o que fizémos no caso do Sapal de Corroios, no da Vedação da Torre e também neste do Estaleiro.
A Moção que vão ler, mais não é do que uma súmula de posições anteriormente assumidas. Transcrevo-a contudo, apenas pelo respeito que me merecem, de saberem exactamente o que o PSD propôs e a CDU chumbou.
Bem, mas a resposta da Câmara Municipal, que através do seu Presidente , me chamou "desonesto" (pedi que ficasse em acta para Sua Exclência reponder no local próprio), exagerado e, teve até a ousadia de me comparar (em tom depreciativo, está bom de ver) a uma sumidade nacional em História que é o Professor Hermano Saraiva, ao referir que eu até parecia o Prof. Saraiva a exagerar nos factos e figuras da nossa história.
Respondi-lhe que para azar do Sr. Presidente da Câmara terá oportunamente de dizer isso directamente ao Prof. Hermano Saraiva, uma vez que ele está solidário com esta causa e apenas não veio ainda ao Seixal devido a questões de saúde.
O que eles não fazem quando querem justificar as suas posições...
Só que às vezes têm azar!!!
Deixa-vos com a moção:

Moção

“Destruição do Estaleiro Naval da Quinta da Fidalga”


Considerando que:


- As origens da Quinta da Fidalga remontam ao século XV.
- Que pertenceu a Paulo da Gama, irmão de Vasco da Gama, que se estabeleceu no local para acompanhar a construção e reparação de caravelas num estaleiro em Arrentela.
- Que se trata do único dos antigos estaleiros edificados em alvenaria, provavelmente no local onde há mais de 500 anos Paulo da Gama comandou a construção de quatro caravelas que chegaram à Índia, como supra se referiu.
- O espaço deste estaleiro - situado nas proximidades da Quinta da Fidalga, até há muito pouco tempo coberto com vegetação, agora demolido, enquadrado nas tão atrasadas obras de reconversão da frente ribeirinha –
- Era um dos marcos indiscutíveis da cultura marítima regional, carecendo de um profundo estudo histórico e arqueológico que, naturalmente, poderia levar à sua classificação como património.
- Classificação que, com a sua demolição, tornará impossível!
- O que é tanto mais lamentável quando se sabe que o rei D. Manuel I (1495-1521) confiou a Estevão da Gama o comando da frota que, em 8 de Julho de 1497, zarpou do Rio Tejo em demanda da Índia, com 150 homens entre marinheiros, soldados e religiosos, distribuídos por quatro pequenas embarcações contruídas no estaleiro da Quinta da Fidalga.



- Com a demolição estão, não só em causa as memórias do Tejo, da importância histórica deste estaleiro e do nosso município, mas, sobretudo a falta de coerência, honestidade e integridade no cumprimento das promessas do Plano Estratégico para o Desenvolvimento do Turismo onde, a preservação dos estaleiros é um dos ícones que nos venderam repetida e insistentemente no respectivo documento.
- Que se ouve que o antigo espaço do estaleiro naval da Quinta da Fidalga será transformado numa área de lazer e turística, com vertentes de restauração, saúde ou bem-estar, em dois edifícios, um com uma área de implantação de 490 metros quadrados e o outro com 82 metros quadrados, o que a concretizar-se poderá desvirtuar o espaço aqui referido e constituirá um autêntico “crime” contra o património histórico e cultural do Seixal.
- Não foi visível por quem visitou o local qualquer alvará que acompanhasse a demolição;
- Não foram respondidos os requerimentos apresentados, nem apresentados os tais estudos que aparentemente fundamentam a decisão da câmara municipa


A Assembleia Municipal do Seixal aos 28 dias do mês de Fevereiro de 2008, reunida para a primeira Sessão ordinária de 2008 delibera:

-Mostrar a sua perplexidade e profunda condenação pela decisão da Câmara Municipal,
-solicitar que, ao menos, sejam permitidos estudos relativamente ao subsolo, pois a recente demolição e os trabalhos em percurso, fazem recear pela destruição de vestígios arqueológicos existentes no subsolo da área envolvente do estaleiro da Quinta da Fidalga.
- Condenar que se perca um património histórico-cultural de tão grande importância em troca da construção de um estabelecimento de restauração.


Os Deputados Municipais do PSD:

11 comentários:

Velas do Tejo disse...

Excelente trabalho. Muitos parabéns, aquilo que são já parte das raízes e muitos de nós e, as raízes dos nossos filhos, agradecem todo o esforço mas, principalmente, a capacidade de ouvir e dar resposta aos anseios da sociedade civil.

Drº Paulo Edson não hesito em afirmar que, neste momento, é uma das referências de excelência da política local, há muito moribunda.

Um grande bem haja!

Anónimo disse...

Ao ler este post fui surpreendida com apontamentos históricos importantes de que não tinha conhecimento.
O local onde se construíram as caravelas que partiram para a Índia…desconhecido e longínquo como os 500 anos que nos separam até à data de hoje. Afinal é já aqui ao lado!
O blogger conhece-me e sabe que não sou muito de politiquices (não vejas como um termo depreciativo), mas depois de ler este post e para me associar a uma causa como esta até estava capaz de me filiar no partido!!! Acho a preocupação do PSD pertinente , não que a minha opinião conte para alguma coisa, mas dar uma força nestas coisas não custa nada.
Também acho que provavelmente o Sr. Presidente da Câmara deverá desconhecer a importância dos descobrimentos no mundo. Saberá ele que foram os portugueses de outrora que revelaram a geografia mundial? e que esta época é estudada em escolas de outros, aliás de inúmeros países que não Portugal? Penso que não!
O Sr. Presidente da Câmara tem a “sorte” de a “geografia” do seu município o brindar com a localização do estaleiro onde foram construídas as caravelas, que nos deram a conhecer o mundo e não aproveita esse facto…estará um pouco fora da realidade…
É certo que o desenvolvimento é inevitável e a construção de novas e necessárias (?) infra-estruturas para a melhoria da população não são factos menos importantes, mas um pouco de equilíbrio, coerência nos actos e menos intransigência também nos levam a “bom porto”.
Já agora parabéns pelo artigo do Público, já li!!! É sempre motivo de grande orgulho e felicidade.
Bjs
Tita

Filipe de Arede Nunes disse...

Bem.
Em primeiro lugar felicito o PSD Seixal na pessoa do Sr. Presidente Dr. Paulo Edson da Cunha, pelo bom trabalho realizado sobre esta e outras temáticas de interesse fundamental para os habitantes do concelho do Seixal.
Em segundo lugar, acredito que o Sr. Presidente da CMS, infelizmente, não é capaz de ir mais longe do que aquilo que a sua cassete permite. Debitar a cartilha encomendada, citar estudos ou pareceres à medida, ignorar as legitimas aspirações de representantes da população é algo a que já deviamos estar habituados. É preciso não esquer, a titulo meramente exemplificativo, o processo de contra-ordenação que foi levantado à JSD Seixal relativamente a um dos seus outdoors em Corroios, processo sobre o qual nunca mais houve qualquer notícia.
É com este género de política que iremos contar enquanto estes senhores continuarem à frente do municipio...
Cumprimentos,
Filipe de Arede Nunes

Paulo Edson Cunha disse...

Fico um bocado sem jeito ao vir aqui apenas para agradecer os elogios, mas não seria educado não o fazer, a todos, os que deixaram mensagem neste post, aos que me encorajam e felicitam por e-mail e aos que o fazem pessoalmente.
Mas do diálogo, opiniões contrárias, crítica construtiva é que nasce a luz. Por isso continuarei, neste blogue (que recordo, é pessoal) e comentando nos jornais onde escrevo ("Jornal do Seixal", "Comércio do Seixal", "Setúbal na Rede", Revista "O Praticante" e na crónica da Rádio Baía, assim como nos blogues locais, a dar a ,minha opinião, sufragando o meu trabalho e o do partido em termos locais e, sobretudo, aprendendo, absorvendo o sentir da população.
Muito obrigado

Anónimo disse...

Parabéns pelo trabalho realizado que é bem visivel. Uma felicitação também pelo destaque enquanto advogado no jornal " O Público". Boa sorte para si e para os seus clientes, todos perderemos se esses restaurantes encerrarem.

Anónimo disse...

Este Sr. Alfredo Monteiro está cada vez mais ignorante e arrogante. Perdoai-lhe senhor que não sabe o que diz.

Anónimo disse...

É com orgulho que observo o teu trabalho, não só politico, como profissinal, é com orgulho que vejo o teu nome na qualidade advogado , em jornais nacionais, como vi há poucos dias no Público em defesa dos teus clientes. Tens um potencial intelectual e humano dignos de elevação, que não podem ser desperdiçados.
Continua com essa força, energia e humanização que te caractriza.

F.

Anónimo disse...

É com orgulho que observo o trabalho que realizas, não só politico, como profissional. É com orgulho que vejo, como vi há dias, o teu nome na qualidade de advogado, em defesa dos teus clientes num jornal nacional como o Público. Foi com orgulho que ouvi as tuas declarações na antena 1. O teu potencial intelectual e humano não pode ser desperdiçado. Continua com essa força, energia e humanização que te caractrizam, e quando te sentires cansado e com pouca força, pensa que os outros precisam de ti.

Manter contigo uma relação de amizade é um privilégio.

F.

hkt disse...

Não me cansarei de lembrar: então o estudo que sustentou esta decisão de arrasar o edifício que há pouco tempo era para ser conservado?
E o estudo arqueológico do local? Será que esse estudo existe. mesmo?
Ou é mais uma cortina de fumo?

Anónimo disse...

oh anónimo e la se co tanto orgulho não ficas com o orgulho ... ferido .

Anónimo disse...

eu já escrevi diversas vezes sobre este tema Estaleiro da Quinta da Fidalga, a Câmara Municipal vai esbanjar dinheiro segundo a óptica dos eleitos no arranjo ribeirinho, levantam questões como a segurança do edificio construido no estaleiro da fidalga, servem-se da população, o serralheiro vem dizer que é para o bem estar da população, no entanto já anda a promover o espaço para cafetaria junto de promotores "amigos", a segurança e bem estar da população parece só preocupar naquele local, observem o cartão de visita da cidade do seixal a quem entra pelo barco, a quinta da trindade em derrocada, pertence à Cãmara, as instalações do fogueteiro,para quem entra pela estrada, pertence à câmara, muito recentemente foram vanguardistas do dito hospital, já nem se fala no assunto, a iniciativa privada tem um controle no chamado nucleo central como não existe em parte nenhuma, observem a rua principal do seixal (paiva coelho) os predios a ameaçarem ruina, e o serralheiro vereador não tem argumentos para o assunto porquê? esperem um pouco, se sentirem lesados vão perceber.